quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Polícia Civil envia um scanner para reproduzir maquete virtual em três dimensões da boate Kiss e ajudar na perícia.

GDF colabora com as investigações do incêndio em Santa Maria

Um perito e um agente da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) estão em Santa Maria (RS) para ajudar nas investigações do incêndio ocorrido na boate Kiss, em 27 de janeiro, que matou 239 pessoas. Com ajuda de um scanner alemão, operado com software australiano, os investigadores poderão reproduzir uma maquete virtual em três dimensões.

O equipamento de alta tecnologia é relativamente pequeno, mas sua utilização será de grande importância para o trabalho policial e da Justiça. Quando o caso for julgado, será possível mostrar ao juiz e aos jurados como a boate era por dentro e como ficou depois do incêndio. Mas, para que a reconstituição do espaço seja feita com segurança para as testemunhas, pode haver necessidade de reforço na estrutura do prédio.

A iniciativa da parceria partiu da própria polícia de Santa Maria. Após coletarem os dados necessários à reprodução do interior da boate Kiss, os peritos darão início à montagem do material. O perito criminal e assessor do Departamento de Polícia Técnica da PCDF, Pedro Luiz Lemos Cunha, explica que, por se tratar de trabalho complementar à investigação, não há data prevista para encaminhamento do resultado à polícia de Santa Maria.

Equipamento - O Imager 5010 é usado na resolução de crimes contra pessoas, acidentes de trânsito e lancha, entre outros. A utilização desse recurso é recorrente em investigações conduzidas pela PCDF, que é referência no país.

Sua sensibilidade mostra com clareza até mesmo manchas de sangue. O aparelho é usado nas perícias do DF e faz captura de imagens quadro a quadro. "Ele faz o desenho do espaço onde está colocado, por meio de uma varredura de 500 mil feixes de laser. É ideal para auxiliar na solução de casos de incêndio, como o da boate Kiss, pois, devido aos feixes, ele faz a leitura até mesmo no escuro", explica o perito criminal e assessor do Departamento de Polícia Técnica da PCDF, Pedro Luiz Lemos Cunha.

Veja as vantagens do Imager 5010:
• Leitura feita por meio de 500 mil feixes de laser.
• "Congelamento" virtual do local do crime, o que possibilita reconstrução no ambiente virtual dos fatos ocorridos.
• Estabelecer dados exatos sobre distâncias, trajetórias de projéteis, pontos de visão de testemunhas ou acusados.
• Reconstrução da dinâmica de acidentes de trânsito, de trabalho, entre outros.
• Calcular volumes exatos de matérias relativas à investigação de crimes ambientais.
• Criação de vídeos sobre dinâmica de atos criminosos ou acidentes, para apresentação ao Judiciário.
• Arquivamento de cenários reais do local do crime para investigações e esclarecimentos posteriores.
• Criação de croquis de locais de crimes com grandes extensões.
• Captura ultrarrápida de dados e imagens em escuridão completa.

fonte: http://www.df.gov.br/noticias/item/5237-gdf-colabora-com-as-investiga%C3%A7%C3%B5es-do-inc%C3%AAndio-em-santa-maria.html

Postar um comentário