sexta-feira, dezembro 16, 2005

Autodesk Revit Building

Estamos passando por uma nova revolução. A primeira, foi causada pelo Autocad tirando os arquitetos, engenheiros e desenhistas das pesadas pranchetas arquimedes para as pranchetas virtuais.
Durante muito tempo passamos a pensar Autocad, dormir Autocad, conversar Autocad, enfim, respirar Autocad.
Nessa nova revolução, a Autodesk viu que estava ficando para trás no mercado. Os profissionais precisavam de mais velocidade, mais agilidade e menos burocracia que encontramos no Autocad.
Observando alguns concorrentes como o ArchiCAD que já era um software que trabalhava com parametrização, viu que iria demorar muito para criar um software com essas facilidades, que fosse melhor que o ArchiCAD em pouco tempo. Para isso, comprou a upstart Revit Technology Corporate em pela bagatela de U$133 milhôes de dólares que teve sua primeira versão lançada em Abril de 2000.
O software é um completo sistema para criação de projetos de arquitetura em 3D, onde o usuário precisa pensar no projeto e não em sua representação gráfica. O Revit sozinho identifica penas em corte, em vista, quem deve ter penas grossas, médias e finas, altera sozinho as alturas de texto, de cotas e símbolos na mudança de escala.
Faz cortes e fachadas em questão de segundos, nomeia e numera automaticamente os desenhos nas pranchas, e ainda faz a parte de maquete eletrônica com fotorealismo e animação gráfica.
Em resumo, é um software completo para escritórios de arquitetura.
Grandes empresas comprovaram e aprovaram sua compra no exterior.
O projeto da Torre da Liberdade, que irá substituir o World Trade Center, foi completamente criado, do início ao fim, no Revit.
No Brasil, empresas como a Rede Globo, Senac, Construtora Santa Cecília, entre outras, compraram o software colocando em prática uma redução de quase 70% do tempo de projeto em relação ao Autocad.
Postar um comentário